17 de set de 2011

Às traíras

Eu precisava expor essa angústia, esse peso de invasão
que não contava com sua astúcia, com a pedra no coração

Nada é o que me parece
e a resposta é sempre a mesma
um delinquente estrondo de amor
no mundo dos surdos

Meu pincel coloriu nesse quadro, cores que em mim não cabia
e o desenho do seu retrato, e a história da sua vida

Tudo é o que me pode
é a pergunta que deve mudar
um lúcido sussurro de ódio
no ouvido de quem aguentar

Nenhum comentário:

Postar um comentário