28 de fev de 2011

Conseqüência Natural

Ter isqueiro e acender
Ter fósforo e riscar

Ter olhos e ver
Ter fumo e fumar

Ter saudade e doer
Ter amor e perder

Ter esperança e acabar

17 de fev de 2011

Na noite não cessa

Marginais da noite
Seres vermes alados.
bêbados nos carros,
sóbrios apedrejados

Seres que caminham
nos becos das árvores
Se escondem e vingam
sombras que eram do passado

Meninas corrompidas
maridos desesperados
taxistas que levam drogados

Meninos semfamília
pedras e estalos
cigarros e dia roubados

14 de fev de 2011

Sua Sombra

ainda vejo sua sombra,
em luzes que não tem tanto brilho
ainda percebo sua aura
ainda vejo seus rastros
mal percebo que sigo o seu caminho.

nem quando me arrasto
deixo de te ver.
perto do chão vejo mais nítido
o que vejo da sua sombra

13 de fev de 2011

quando você foi embora

se ao menos tivesse morrido


,

12 de fev de 2011

Faz marra

Ela não vai, mas manda dizer que saiu
Ele não cede, mas faz cena na despedida

Se constroem no evitar
E evitam se compor

Compõem-se ao evitar
(se destruírem)

11 de fev de 2011

O Facebook e o Fio Terra

Uma cutucada diz muita coisa
Uma cutucada diz quase nada

Numa cutucada só fiz: cutucar de volta

6 de fev de 2011

De cara com a rua

foi chutado foi morto
foi atropelado foi varrido
surgiu do nada
comprou briga e perigo

levou na cara
ainda não tomou juízo
fez pirraça
ficou com corpo estendido

agora não come não fica de pé
precisa de ajuda não tem mais mulher

brigou na rua
com um mais locão
levou soco na cara
foi parar no chão